sábado, 6 de julho de 2013

De volta

Dois anos sem visitar esta casa... Comecei então tirando o lixo, agora vou limpar os móveis e abrir as janelas para o sol entrar!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

MELANCOLIA

Me enriquece a alma

Esse amargor,

Que se expande ao tocar dos olhos que me veem.

Um frio intenso,

Noites que se arrastam lânguidas e vazias.

Nem as palavras, nem as cordas do violão,

Nada interpreta essa dor,

Esse sentir pelo avesso,

Essa certeza inerte e inexorável

De estar viva,

Sóbria,

Consciente

E condenada a resistir.


Cesira Ferrara

*Em homenagem a Amy Winehouse (1983 - 2011)

domingo, 17 de abril de 2011

MAIS

"Eu cheguei a achar que ia ser diferente:
Mas eu esperava,
E esperar me bastava.
Vivi por tanto tempo entregando inteiro
Um coração ao meio
Que, destruído, não sabe,
Se sente forte e não cede...
Vivendo um tempo, um mundo que eu recriei,
Eu vi você
Vi em você os meus olhos cegos
E não acreditei que era eu de verdade
Falando o que não devia...
Mais uma vez eu perdi o que eu não tinha."

"Mais" já virou música. Foi escrita em 2002 ou 2003, não me lembro... É um rock n' roll bacana. Lembrei-me dessa música hoje, arrumando algumas coisas no quarto, quando olhei pra "Vecchia Signora", minha giannini Les Paul que repousa empoeirada aos pés da cama...

quarta-feira, 23 de março de 2011

Meio


Ando meio só, meio ocupado, meio vazio...
Ando meio preocupado, meio cansado...
Ando meio triste, meio ansioso, meio pensativo...
Ando meio vivo.
Ando, meio, vivo.
Ao meio.


Deivisson Leão


Cruz das Almas, 23 de março de 2011
12h30min

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Catavento e Girassol

Confira no vídeo http://www.youtube.com/watch?v=xCPAKjctulQ

A música começa com um arranjo de cordas dramático. O violão causa um momento de tensão e rara beleza. A música começa a desabrochar em cores e sensações que lhe causam, ao mesmo tempo, curiosidade, medo e fascínio porque, numa primeira audição, ela não te dá nenhuma pista do que se trata! A letra a princípio parece confusa: "Meu catavento tem dentro o que há do lado de fora do teu girassol"... Mas, putz... a interpretação de Leila é incrível. "Entre o escancaro e o contido, eu te pedi sustenido e você riu bemol".

Contraste. A música fala dos opostos, aí você começa a entender o porquê do clima dramático da introdução, que se estende pelos seus fugazes 5 minutos e 6 segundos. Ora relaxa, ora contrai os músculos, dadas as pequenas e significativas aparições dos diversos instrumentos utilizados no arranjo, aliadas a uma letra muito bem construída, requintada... Nossa língua é foda! Sinceramente acho que nenhuma outra permite construções tão complexas, tantos recursos metafóricos, e Aldir Blanc foi muito feliz em suas explorações: doçura, agressividade e outros antônimos que, em regra, não são nem antônimos... Perfeito!

"A paz é feita num motel, de alma lavada e passada"... Um baixo fretless ronca bonito, também contribuindo para o clima tenso da música. Ah! Diga-se de passagem, trata-se de um misto de bossa nova, samba e choro, com um tamborim repicando de leve e um surdo marcando a marcha – pancada em tempo, pancada em síncope, um reco-reco em pequenas intervenções, elegante, discreto... Uma interessante e estranha alusão ao carnaval... Estranha no sentido de tensa... Definitivamente não é a alegria do carnaval ali retratada, mas o clima é de carnaval. “Você vai pra Parati e eu pro Cacique de Ramos”.

As intervenções das cordas durante e, principalmente, no final, aonde a música vai diminuindo de volume, intensa e suavemente... Comtempla mesmo a ideia dos opostos!
Construção melódica e harmônica maravilhosa, letra profunda, arranjo denso, caudaloso. Você mergulha na história! A música cria um clima em que você consegue, mesmo de olhos abertos, embarcar na viagem que ela te proporciona, visualizando as cenas, cortando, editando, sumindo e voltando... P'ra mim, que não tive ainda a oportunidade de conhecer, dá pra imaginar o quão lindo é o Rio de Janeiro...

Identifiquei-me em muito com a música. "Eu vou de tênis e jeans e encontro você demais: escarpin, soiré"! Sou assim, meio catavento, meio gato de subúrbio, meio arredio, meio saudosista... E você, o que vê no sumidouro do espelho?

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Flor Carmim

Eis que a luz e o odor da flor carmim incendeiam este ambiente de trevas!
Imagens ternas a povoar minha mente ingênua
Torpor, forquilha entre-pernas,
Frente e costas
Certos ângulos e curvas que certamente incomodam-se ao olhar
Curvo-me em reverência, e
Até certo ponto, controlo-me:
Daí em diante, escrevo.

Deivisson Leão

quarta-feira, 30 de junho de 2010


Teus seios
à Indiaiana


Por Patrice de Moraes


Meus olhos acolheram, sim, os movimentos
Fogosos, decididos, deliciosos... – os meios
Que usaste para expor os lúbricos talentos
(pecaminosos) da excelência dos teus seios,

esta fartura sempre a despertar anseios
ao tato, ao paladar e a tantos mais intentos
que vêem-se na expectativa de realizar passeios
inesquecíveis pelo lar desses eventos

originais. Eventos que fascinam mais
quando os transformas em mensageiros dos rituais
de sedução que maliciosamente fazes,

mostrando ter domínio sobre a carne tua
que num ato mero me amplia a mente a ter-te nua
pelo simples poder das sugestões que trazes.*